segunda-feira, 3 de dezembro de 2007


Já cheira a Natal!!!
Na Ilha das Cores andamos muito atarefados...
Estamos a fazer Pais Natal e Árvores de Natal,
para enfeitarmos o corredor
e Bonecos de Neve
para a nossa sala ficar mais bonita!
Brevemente colocaremos as fotos!!!
Beijocas e obrigado pelas vossas visitas e mensagens!


segunda-feira, 29 de outubro de 2007





Livros e Infância
As histórias infantis como forma de consciência de mundo




É no encontro com qualquer forma de Literatura que os homens têm a oportunidade de ampliar, transformar ou enriquecer sua própria experiência de vida. Nesse sentido, a Literatura apresenta-se não só como veículo de manifestação de cultura, mas também de ideologias.
A Literatura Infantil, por iniciar o homem no mundo literário, deve ser utilizada como instrumento para a sensibilização da consciência, para a expansão da capacidade e interesse de analisar o mundo. Sendo fundamental mostrar que a literatura deve ser encarada, sempre, de modo global e complexo em sua ambigüidade e pluralidade.



Até bem pouco tempo, em nosso século, a Literatura Infantil era considerada como um gênero secundário, e vista pelo adulto como algo pueril (nivelada ao brinquedo) ou útil (forma de entretenimento). A valorização da Literatura Infantil, como formadora de consciência dentro da vida cultural das sociedades, é bem recente.
Para investir na relação entre a interpretação do texto literário e a realidade, não há melhor sugestão do que obras infantis que abordem questões de nosso tempo e problemas universais, inerentes ao ser humano.
"Infantilizar" as crianças não cria cidadãos capazes de interferir na organização de uma sociedade mais consciente e democrática.


Fases normais no desenvolvimento da criança

O caminho para a redescoberta da Literatura Infantil, em nosso século, foi aberto pela
Psicologia Experimental que, revelando a Inteligência como um elemento estruturador do universo que cada indivíduo constrói dentro de si, chama a atenção para os diferentes estágios de seu desenvolvimento (da infância à adolescência) e sua importância fundamental para a evolução e formação da personalidade do futuro adulto. A sucessão das fases evolutivas da inteligência (ou estruturas mentais) é constante e igual para todos. As idades correspondentes a cada uma delas podem mudar, dependendo da criança, ou do meio em que ela vive.

Primeira Infância: Movimento X Atividade

(15/17 meses aos 3 anos)
Maturação, início do desenvolvimento mental;


Fase da invenção da mão - reconhecimento da realidade pelo tato;
Descoberta de si mesmo e dos outros;
Necessidade grande de contatos afetivos;
Explora o mundo dos sentidos;
Descoberta das formas concretas e dos seres;
Conquista da linguagem;
Nomeação de objetos e coisas - atribui vida aos objetos;
Começa a formar sua auto-imagem, de acordo com o que o adulto diz que ela é, assimilando, sem questionamento, o que lhe é dito;
Egocentrismo, jogo simbólico;
Reconhece e nomeia partes do corpo;
Forma frases completas;
Nomeia o que desenha e constrói;
Imita, principalmente, o adulto.



Segunda Infância: Fantasia e Imaginação

(dos 3 aos 6 anos)

Fase lúdica e predomínio do pensamento mágico;


Aumenta, rapidamente, seu vocabulário;
Faz muitas perguntas. Quer saber "como" e "por quê ?";
Egocentrismo - narcisismo;
Não diferenciação entre a realidade externa e os produtos da fantasia infantil;
Desenvolvimento do sentido do "eu";
Tem mais noção de limites (meu/teu/nosso/certo/errado);
Tempo não tem significação - não há passado nem futuro, a vida é o momento presente;
Muitas imagens ainda completando, ou sugerindo os textos;
Textos curtos e elucidativos;
Consolidação da linguagem, onde as palavras devem corresponder às figuras;
Para Piaget, etapa animista, pois todas as coisas são dotadas de vida e vontade;
O elemento maravilhoso começa a despertar interesse na criança.




Dos 6 aos 6 anos e 11 meses, aproximadamente
Interesse por ler e escrever.

A atenção da criança esta voltada para o significado das coisas;
O egocentrismo está diminuindo. Já inclui outras pessoas no seu universo;
Seu pensamento está se tornando estável e lógico, mas ainda não é capaz de compreender idéias totalmente abstratas;
Só consegue raciocinar a partir do concreto;
Começa a agir cooperativamente;
Textos mais longos, mas as imagens ainda devem predominar sobre o texto;
O elemento maravilhoso exerce um grande fascínio sobre a criança.
Histórias para crianças (faixa etária / áreas de interesse / materiais / livros)

1 a 2 anos
A criança, nessa faixa etária, prende-se ao movimento, ao tom de voz, e não ao conteúdo do que é contado. Ela presta atenção ao movimento de fantoches e a objetos que conversam com ela. As histórias devem ser rápidas e curtas. O ideal é inventá-las na hora. Os livros de pano, madeira e plástico, também prendem a atenção. Devem ter, somente, uma gravura em cada página, mostrando coisas simples e atrativas visualmente. Nesta fase, há uma grande necessidade de pegar a história, segurar o fantoche, agarrar o livro, etc..



2 a 3 anos
Nessa fase, as histórias ainda devem ser rápidas, com pouco texto de um enredo simples e vivo, poucos personagens, aproximando-se, ao máximo, das vivências da criança. Devem ser contadas com muito ritmo e entonação. Tem grande interesse por histórias de bichinhos, brinquedos e seres da natureza humanizados. Identifica-se, facilmente, com todos eles. Prendem-se a gravuras grandes e com poucos detalhes. Os fantoches continuam sendo o material mais adequado. A música exerce um grande fascínio sobre ela. A criança acredita que tudo ao seu redor tem vida e vivência, por isso, a história transforma-se em algo real, como se estivesse acontecendo mesmo.


3 a 6 anos
Os livros adequados a essa fase devem propor "vivências radicadas" no cotidiano familiar da criança e apresentar determinadas características estilísticas.
Predomínio absoluto da imagem, (gravuras, ilustrações, desenhos, etc.), sem texto escrito, ou com textos brevíssimos, que podem ser lidos, ou dramatizados pelo adulto, a fim de que a criança perceba a inter-relação existente entre o "mundo real", que a cerca, e o "mundo da palavra", que nomeia o real. É a nomeação das coisas que leva a criança a um convívio inteligente, afetivo e profundo com a realidade circundante.
As imagens devem sugerir uma situação que seja significativa para a criança, ou que lhe seja, de alguma forma, atraente.
A graça, o humor, um certo clima de expectativa, ou mistério são fatores essenciais nos livros para o pré-leitor.
As crianças, nessa fase, gostam de ouvir a história várias vezes. É a fase de "conte outra vez".
Histórias com dobraduras simples, que a criança possa acompanhar, também exercem grande fascínio. Outro recurso é a transformação do contador de histórias com roupas e objetos característicos. A criança acredita, realmente, que o contador de histórias se transformou no personagem ao colocar uma máscara, chapéu, capa, etc..
Podemos enriquecer a base de experiências da criança, variando o material que lhe é oferecido. Materiais como massa de modelar e argila atraem a criança para novas experimentações. Por exemplo, a história do "Bonequinho Doce" sugere a confecção de um bonequinho de massa, e a história da "Galinha Ruiva" pode sugerir amassar e assar um pão.
Assim como as histórias infantis, os contos de fadas têm um determinado momento para serem introduzidos no desenvolvimento da criança, variando de acordo com o grau de complexidade de cada história.
Os contos de fadas, tais como: "O Lobo e os Sete Cabritinhos", "Os Três Porquinhos", "Cachinhos de Ouro", "A Galinha Ruiva" e "
O Patinho Feio" apresentam uma estrutura bastante simples e têm poucos personagens, sendo adequados à crianças entre 3 e 4 anos. Enquanto, "Chapeuzinho Vermelho", "O Soldadinho de Chumbo" (conto de Andersen), "Pedro e o Lobo", "João e Maria", "Mindinha" e o "Pequeno Polegar" são adequados a crianças entre 4 e 6 anos.
6 anos a 6 anos e 11 meses
Os contos de fadas citados na fase anterior ainda exercem fascínio nessa fase. "
Branca de Neve e os Sete Anões", "Cinderela", "A Bela Adormecida", "João e o Pé de Feijão", "Pinóquio" e "O Gato de Botas" podem ser contadas com poucos detalhes.





Resumo
Faixa etária
Textos
Ilustrações
Materiais





1 a 2 anos
As histórias devem ser rápidas e curtas
Uma gravura em cada página, mostrando coisas simples e atrativas visualmente
Livros de pano, madeira, e plástico. É recomendado o uso de fantoches


2 a 3 anos
As histórias devem ser rápidas, com pouco texto de um enredo simples e vivo, poucos personagens, aproximando-se, ao máximo das vivências da criança
Gravuras grandes e com poucos detalhes
Os fantoches continuam sendo o material mais adequado. Música também exerce um grande fascínio sobre a criança


3 a 6 anos
Os livros adequados a essa fase devem propor vivências radicadas no cotidiano familiar da criança.
Predomínio absoluto da imagem, sem texto escrito ou com textos brevíssimos.
Livros com dobraduras simples. Outro recurso é a transformação do contador de histórias com roupas e objetos característicos. A criança acredita, realmente, que o contador de histórias se transformou no personagem ao colocar uma máscara.

6 ou 7 anos (fase de alfabetização)

Trabalho com figuras de linguagem que explorem o som das palavras. Estruturas frasais mais simples sem longas construções. Ampliação das temáticas com personagens inseridas na coletividade, favorecendo a socialização, sobretudo na escola.
Ilustração deve integrar-se ao texto a fim de instigar o interesse pela leitura.


Uso de letras ilustradas, palavras com estrutura dimensiva diferenciada e explorando caráter pictórico.
Excelente momento para inserir poesia, pois brinca com palavras, sílabas, sons.


Apoio de instrumentos musicais ou outros objetos que produzam sons.


Materiais como massinha, tintas, lápis de cor ou cera podem ser usados para ilustrar textos.



printCopyright('CRISTIANE MADANÊLO DE OLIVEIRA', '2005');
© 2005 - Todos os direitos reservados. Para cessão de direitos, entre em contato com litinf@graudez.com.br.
Para citar este artigo copie as linhas abaixo:CRISTIANE MADANÊLO DE OLIVEIRA. "LIVROS E INFÂNCIA" [online]Disponível na internet via WWW URL: http://www.graudez.com.br/litinf/livros.htmCapturado em 29/10/2007

segunda-feira, 8 de outubro de 2007

O Outono

Este ano estou numa sala com meninos de idades compreendidas entre os 12 e os 24 meses.
A nossa sala chama-se ILHA DAS CORES!
O Outono chegou! Resolvemos apanhar as folhinhas que decoravam o nosso espaço exterior e com elas, e com retalhos de tecidos escolhidos pelos meninos, demos largas à criatividade.
Deixamo-vos um cheirinho de Outono, com estas árvores coloridas!









sexta-feira, 24 de agosto de 2007

O final de um ano...



E assim terminou um ano... recheado de sorrisos, choros, brincadeiras, aprendizagens, crescimento, desenvolvimento, amizade, ternura, amor, carinho, e sobretudo de muita Alegria!
A sala, essa, ficou vazia, sem os trabalhos coloridos das paredes, sem os mobiles que voavam ao sabor do vento que entrava pelas janelas, sem o "barulhinho" bom, das risadas e da Música que enchia de Alegria a nossa Sala...
Partíram...de peito cheio...ambicionando novos desafios e com uma vontade de aprender sempre mais e mais...com a certeza que já eram GRANDES, sem fraldas e chuchas, prontos para pintar a vida de um cor de rosa forte, e de levar a Alegria para uma nova Sala...
No meu coração ficaram as lembranças, de um grupo que me ensinou tanto, e que me fez crescer para além dos biquinhos de pés, que me mostrou as nuvens aqui tão perto, e que me ensinou a sorrir todos os dias, mesmo nos mais cinzentos.

quinta-feira, 16 de agosto de 2007



olá a todos!


Estou de férias e sem net desde finais de Julho....
Queria só agradecer as vossas visitas e mensagens...e desejar-vos umas óptimas férias!
Prometo voltar em breve...

Beijokas

segunda-feira, 23 de julho de 2007




" De vez em quando perguntam-me se acredito em Deus. Mas é claro. Acredito mais que a maioria das pessoas. Tenho até trinta e três nomes para ele. Esses nomes foi a Margueritte Yourcenar que me contou. Ela foi uma escritora maravilhosa, autora do livro Memórias de Adriano, quem lê nunca mais esquece, quer ler de novo. Pois esses são os trinta e três nomes de Deus que ela me ensinou. É só falar o nome, ver na imaginação o que o nome diz, para que a alma se encha de uma alegria que só pode ser um pedaço de Deus... Mas é preciso ler bem devagarinho...


1. Mar da manhã.
2. Barulho da fonte nos rochedos sobre as paredes de pedra.
3. Vento do mar de noite, numa ilha...
4. Abelha.
5. Vôo triangular dos cisnes.
6. Cordeirinho recém-nascido....
7. Mugido doce da vaca, mugido selvagem do touro.
8. Mugido paciente do boi.
9. Fogo vermelho no fogão.
10. Capim.
11. Perfume do capim.
12. Passarinho no céu.
13. Terra boa...
14. Garça que esperou toda a noite, meio gelada, e que vai matar sua fome no nascer do sol.
15. Peixinho que agoniza no papo da garça.
16. Mão que entra em contato com as coisas.
17. A pele, toda a superfície do corpo
18. O olhar e tudo o que ele olha.
19. As nove portas da percepção.
20. O torso humano.
21. O som de uma viola e de uma flauta indígena.
22. Um gole de uma bebida fria ou quente.
23. Pão.
24. As flores que saem da terra na primavera.
25. Sono na cama.
26. Um cego que canta e uma criança enferma.
27. Cavalo correndo livre.
28. A cadela e os cãezinhos.
29. Sol nascente sobre um lago gelado.
30. O relâmpago silencioso.
31. O trovão que estronda.
32. O silêncio entre dois amigos.
33. A voz que vem do leste, entra pela orelha direita e
ensina uma canção...”

Rubem Alves

Um post de Quem Tecla Não Chora em
Grandes Letras

sábado, 14 de julho de 2007


Hoje é o meu aniversário!!!
Mais um aninho...mais uma vida, recheada de emoções!
Obrigado por me acompanharem nesta grande aventura!
Muitos beijinhos com sabor a bolo para vocês!



sexta-feira, 13 de julho de 2007

A NOSSA FEIRINHA PEDAGÓGICA




































Agradeço a todos os papás que fizeram muitas e muitas compras!

Os meninos, os educadores e o resto do pessoal ficaram muito felizes!!!
A nossa feirinha foi um sucesso!!!!!!



domingo, 8 de julho de 2007



C R I A N Ç A

.

Criança, tu és um canto

Feito de amor e de luz

Tu és a primavera surgindo

És um caminho feliz.

Brincas e as horas passam

Seu mundo é cheio de harmonia e graça

És a estrela que brilha

Iluminando o mundo de pura fantasia.

Chegas em minha vida

Trazendo a outrora vivida

Saudando com sua alegria

A minha infância querida.

(Sonia Santos - Outubro/2001)


Sótão

Se abro a porta
do sótão
o que posso encontrar
no baú da avó?
Vestidos de renda —
futuras tendas!
Leque espanhol —
raios de sol!
Velha gravata —
tapa-olho de pirata!
Desbotado castiçal —
perna de pau!
O sótão da avó é o
castelo dos perigos
mais bem vividos
da minha imaginação!

Alzira Chagas Carpigiani

quarta-feira, 20 de junho de 2007




Agradeço uma vez mais esta grande honra! Após uma SEGUNDA nomeação pelo COGITARE nomeio outros 5 Blogs!

Os Nossos Jardins
Espaço Criativo
Terroristas de Palmo e Meio
Mágica de Ensinar
Muitas Coisinhas


Parabéns aos nomeados e peço desculpa
aos outros blogs encantadores, dos quais sou visita assídua!